Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

O Museu das Culturas Dom Bosco - MCDB
História do Museu das Culturas Dom Bosco
Estrutura Organizacional
Equipe
Programas
Projetos
Exposições de Longa Duração
Exposições temporárias
Acervo
Museus Comunitários
Arqueologia
Etnologia
Mineralogia
Paleontologia
Zoologia
Museu de Meruri
Museu de Sangradouro
Artigos
Livros
Facebook
Orientações para Grupos Escolares
Orientações Gerais
Loja
Agendamento de grupos e escolas
Programação
Atividades
Palestras
Seminários
Oficinas
Campo Grande, 23 de Junho de 2017
História do Museu das Culturas Dom Bosco
26/08/09 
Por: Equipe MCDB
Fonte: Arquivo Documental do MCDB

 

O Museu das Culturas Dom Bosco, localizado em Campo Grande, Mato Grosso do Sul, Brasil, chamava-se Museu Dom Bosco e foi idealizado pela Missão Salesiana de Mato Grosso e inaugurado oficialmente em 27 de outubro de 1951 visando principalmente a educação, o desenvolvimento e o lazer de adultos, jovens e crianças.
Ao longo de sua existência, formou um rico e variado acervo graças ao trabalho e dedicação de salesianos, como: Félix Zavataro, Cesar albisetti, Ângelo Jaime Venturelli, João Falco e, mais recentemente, de leigos, como Emília kashimoto na área de Arqueologia, Aivone Carvalho na área de Etnologia e Liane Calarge na área de Mineralogia e Paleontologia.
Em seus sessenta anos de vida, o Museu passou por várias fases e ocupou diferentes espaços. O primeiro deles foi nas instalações do Colégio Dom Bosco, sob a direção do filólogo Angelo Jaime Venturelli, época em que suas coleções etnográficas tiveram um considerável enriquecimento. Para se ter uma idéia, a coleção bororo sob a guarda do Museu é hoje a maior e mais completa do mundo.
Em 1978 seu rico acervo foi transferido para a Rua Barão do Rio Branco, onde permaneceu por mais de 20 anos sob a direção do naturalista João Falco (SDB). Durante sua gestão, Pe Falco promoveu algumas intervenções no espaço físico visando criar condições para melhor expor o acervo já existente e todo o material que conseguia adquirir, utilizando o bom relacionamento que tinha com os meios científicos e acadêmicos. Seu maior interesse sempre foi pelas Ciências Naturais, fato que o levou a formar, organizar e ampliar os acervos de Mineralogia, Paleontologia e Zoologia.
Pela extensa coleção de objetos de cultura material indígena, o Museu Dom Bosco também ficou conhecido pela população sulmatogrossense como Museu do Índio.
Com a morte de Pe. Falco, a partir de 1996 o Museu passou a ser gerido pela Universidade Católica Dom Bosco. Essa gestão impôs a necessidade de redefinir objetivos e adequar o espaço físico à democratização da cultura, perspectiva fundamental de um museu dinâmico capaz de promover o desenvolvimento social, conservar e proteger seu patrimônio cultural. Para isto a Universidade trouxe profissionais de grandes centros brasileiros e italianos para conduzir o Projeto de Reestruturação do então Museu das Culturas Dom Bosco que hoje se apresenta.