Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

O Museu das Culturas Dom Bosco - MCDB
História do Museu das Culturas Dom Bosco
Estrutura Organizacional
Equipe
Programas
Projetos
Exposições de Longa Duração
Exposições temporárias
Acervo
Museus Comunitários
Arqueologia
Etnologia
Mineralogia
Paleontologia
Zoologia
Museu de Meruri
Museu de Sangradouro
Artigos
Livros
Facebook
Orientações para Grupos Escolares
Orientações Gerais
Loja
Agendamento de grupos e escolas
Programação
Atividades
Palestras
Seminários
Oficinas
Campo Grande, 18 de Agosto de 2017

Exposições de Longa Duração

Nome:
E-mail:
Seu amigo:
E-mail dele:
Assunto:
Comentário:
Exposição de Etnologia
 
 
 
Povos do Mato Grosso do Sul
Esta é uma sala ainda em fase de aquisição de acervo, fato que se deve a uma presença mais marcante dos salesianos ao norte do antigo estado de Mato Grosso, dividido politicamente, em 1977, em estado de Mato Grosso, capital Cuiabá e estado de Mato Grosso do Sul, capital Campo Grande. Dentre os muitos povos de etnia indígena que habitam Mato Grosso do Sul, o museu representará a cultura material dos  Terena; dos Kadiweu; dos Guarani Kaiowa; dos Kinikinaw; dos Guato; e dos Ofaie, por meio de objetos e utensílios históricos expostos em ocas de cobre, signo da pós-modernidade, estética capaz de traduzir a vida contemporânea desses povos.
 
Povo Xavante
Nesta sala, o espaço expográfico assemelha-se a um labirinto unicursal espelhado, do qual só se consegue sair, quando se descobre o enigma proposto. Quem são os Xavante? Qual o segredo embutido em sua cultura? Quem conhece a cultura xavante sabe que a maioria das danças, dos movimentos rituais constroem espirais e nesse caso pode-se relacionar esta forma com a estrutura física do espaço expográfico. É importante ressaltar que o tema tratado pela exposição foi escolhido por um representante dos Xavante e diretor do Museu Comunitário de Sangradouro, Valeriano Rãiwi’a Wéréhité. De acordo com ele o espaço deveria conter objetos significativos dos ritos de passagem e religioso.
 
Povo Bororo
Nascimento e morte fazem fundo para a contextualização metafórica do espaço
expográfico bororo dividido, como a aldeia original, em duas metades, Tugarege e Ecerae representadas pelos quatro clãs que as compõem respectivamente. Além do círculo, no recôndito da terra, o espaço de evocação das almas e a simbologia de preparação do mori.
 
Povo Karajá
Nesta sala estão reunidos os objetos da cultura material dos Karaja coletados pelos salesianos de Dom Bosco, Ângelo Venturelli e João Falco. A expografia tomou por base de contextualização o mito de origem do povo representado e cenas de sua vida cotidiana.
 
Povos do Rio Uaupés
Nesta sala aparecem representados por meio de seu mito de origem, iconizado na arquitetura; e pelos objetos utilizados em seu cotidiano, os povos Tukano, Desana, Tariana, Pira-Tapuia, Tuiuka, Paracanã, Taiwano e Wanana. Podemos sugerir que o espaço metaforiza a cultura disposta esteticamente ao longo do Rio Uaupés e que onde o "rio" termina, acaba a vida, aprisionada nas Vestes de Lágrimas dentro do círculo sagrado, para dar origem a um novo começo.
Conteúdo Relacionado
Exposição memória do Museu Dom Bosco
Exposição de Arqueologia